clínica veterinária são lázaro

  • Aqui seu animal é bem tratado sempre.
    A Clínica Veterinária São Lázaro possui uma excelente estrutura para receber seu animal, seja ele de pequeno, médio ou grande porte. Aqui atendemos diversas ocorrências médicas, pois estamos preparados para atuar nas áreas de prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação de nossos pacientes.
    Os consultórios e as áreas de internamento são climatizados e muito bem equipados, tudo para deixar seu animal o mais à vontade possível. Também contamos com um espaço exclusivo para atendimento e internamento de felinos.


  • FUNDADOR

  • A história do médico veterinário José Souza Paixão – Fundador da Clínica São Lázaro

  • “José Souza Paixão - Um defensor dos Animais”

    Nascido no povoado Itaperinha, na cidade de Lagarto, filho do agricultor Aristóteles Araújo da Paixão e Maria de Souza Paixão, o jovem José Souza Paixão deixou a família para estudar no Rio de Janeiro. Ele fez primeiro o curso médio em técnico agrícola da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e ingressando logo depois na Faculdade de Veterinária da Universidade Federal Fluminense, na década de 70.

    “Meus pais foram visionários, pois venderam as propriedades que tinham no povoado para que nós pudéssemos estudar. Muitos parentes e amigos recriminaram à época, mas eles não desistiram do objetivo e nos proporcionou também curso superior que naquele tempo era muito difícil, uma vez que o curso em questão não existia em Sergipe”, contou.

    Naquele período, o país vivia momentos de luta pela democracia. Dr, Souza, então estudante de Veterinária, participou das mais genuínas manifestações a favor da liberdade e da vida, inclusive já em defesa dos direitos dos animais.

    “Em 1978 inventaram um surto da peste suína africana (doença que teria que sacrificar todos os suínos do Brasil). Após consultar um mestre e amigo Dr. Gerson Andrade Santos, um dos maiores patologistas do Brasil e do mundo, entendi que o massacre dos animais alegando a doença estava errado. Muitas pessoas abatinham porcos e depois os queimavam, inclusive alguns sem qualquer escrúpulos queimavam os porcos vivos. Então comecei a interferir no processo de maus tratos aos animais, mesmo que fosse para o consumo humano”, falou.

    Em Sergipe lutou e ainda luta para mudar a visão antiquada de que os animais não podem ser tratados com Leishmaniose, o popular calazar, mesmo já tendo decisão favorável STJ. “O trabalho do dia a dia acaba se confundindo com a defesa dos animais. Apoio diversas ONG e também atuo como presidente do Sindicato dos Médicos Veterinários de Sergipe, no objetivo de conscientizar a categoria e a sociedade no que diz respeito aos cuidados dos animais. Avançamos muito pouco no respeito ao sentimento dos animais que está longe de ser o ideal. Um exemplo é o abate de bovinos para consumo, que precisa seguir regras e os veterinários precisam se mobilizar em relação a isso”, ressaltou.

  • Jornalista responsável pelo site : Sandra Cruz DRT 1.029/Se